O Que é Freelancer? Dicas e Estratégias para Freelancers Iniciantes

o que é freelancer e como começar

Conteúdo da Postagem

Um número cada vez mais expressivo de pessoas busca oportunidades para trabalhar de forma autônoma, ou seja, como freelancer. E, por outro lado, o mercado de trabalho também está se abrindo a esse novo formato de trabalho e gerando essa demanda.

Hoje é possível oferecer serviços de diversas especialidades para diferentes empresas ao mesmo tempo, e ser bem remunerado por isso.

As vantagens são inúmeras como não ter chefe, poder administrar seu tempo e cobrar um valor justo pelo trabalho.

Nesse artigo vamos falar tudo sobre a carreira de freelancer, como começar e também o que você deve fazer para ter uma carreira de sucesso. Tudo isso para ajudar você a tomar a melhor decisão sobre começar nesse modelo de trabalho. 

O que é Freelancer?

Freelancer é um profissional autônomo, que oferece seus serviços para empresas ou outras pessoas físicas. O valor pago pelos serviços é negociado diretamente entre as partes.

Nessa relação de trabalho não existe vínculo de emprego e nem exclusividade, ou seja, o freelancer pode trabalhar com diversos clientes ao mesmo tempo.

Se o trabalho for satisfatório para ambos os lados, existe grande possibilidade de se tornar recorrente, o que é o ideal. Isso garante uma previsão de recebimentos, que é uma das grandes dificuldades de quem é freelancer.

O que um Freelancer faz? 

O freelancer presta um serviço específico, no qual ele é especialista. Algumas profissões são mais comuns como:

  • Design gráfico
  • Eventos
  • Fotografia
  • Ilustração
  • Marketing Digital
  • Mídias Sociais
  • Pesquisa
  • Planejamento de comunicação
  • Produção de vídeo
  • Programação
  • Redação
  • Revisão
  • SEO
  • Tradução
  • Web Design

Mas se você tem conhecimento, ferramentas e as habilidades necessárias para exercer a profissão e oferecer um trabalho de qualidade de maneira independente, pode se tornar um freelancer na sua área.

Atualmente muitos serviços estão sendo reinventados e novas carreiras estão migrando para o digital, ampliando ainda mais esse rol de opções de trabalho freelancer.

Uma pergunta muito comum é se é necessário ter diploma para ser freelancer, e a resposta é: depende!

Mas essa resposta está mais relacionada à sua área de atuação na prestação de serviços do que ao modelo de trabalho. Se a sua carreira exige um diploma para oferecer os serviços, será necessário cursar uma faculdade.

Entretanto, muitas das carreiras que foram citadas acima, como a de design gráfico, fotografia e redação, não possuem esse tipo de exigência. Nesses casos o que realmente importa é a criatividade e a qualidade do serviço prestado, e um portfólio bem apresentado é o suficiente para demonstrar isso.

Um portfólio é um documento que reúne os melhores trabalhos do freelancer e pode ser enviado a clientes em potencial para demonstrar suas habilidades. 

Habilidades necessárias para ser um freelancer?

Apesar de não ser necessário diploma para trabalhar como freelancer, a carreira exige algumas habilidades importantes que o ajudarão a crescer profissionalmente e a conquistar e fidelizar clientes.

1.    Organização e disciplina

Como freelancer você não terá uma pessoa para controlar seus horários e tarefas, sua produtividade. Nem mesmo os clientes farão isso por você. Eles contam com a sua responsabilidade de entregar no prazo combinado.

Portanto, ser organizado e disciplinado é fundamental para ser um freelancer de sucesso.

E você será a única pessoa responsável também por toda a sua estratégia de negócios, que inicia na prospecção de clientes até a sua organização financeira.

Essa habilidade da organização vai permitir, por exemplo, que você perceba quantos projetos consegue assumir ao mesmo tempo, sem comprometer a qualidade do serviço prestado.

2.    Financeiro

Na carreira de freelancer a renda é variável. Dependendo do seu volume de trabalho e das respostas obtidas na sua prospecção de novos clientes, você pode ter meses em que ganhará mais e outros menos.

Sendo assim, ter um bom controle financeiro é essencial, principalmente construindo uma reserva de emergência para usar nos meses de baixa demanda.

3.    Profissionalismo

Um erro muito comum é confundir a liberdade que essa modalidade de trabalho oferece com a falta de compromisso.

Como muitas vezes o profissional exerce suas atividades de casa, faz os seus horários e não precisa se preocupar com o que está vestindo, infelizmente, pode não dar tanta importância aos prazos e compromissos.

Lembre-se sempre de que o cliente contratou um serviço e espera que o que tenha sido combinado, seja cumprido em termos de prazos, comunicação e qualidade.

Agir com falta de responsabilidade pode tirar o melhor profissional da sua área do mercado rapidamente.

4.    Multidisciplinaridade

Aqui podemos considerar dois fatores importantes. Sendo o único responsável pelo sucesso do seu trabalho, você terá que atuar em diversas frentes, como vendas, financeiro, atendimento ao cliente, contabilidade, etc.

Para isso você deve estar aberto a aprender e a dar o seu melhor para que tudo funcione adequadamente.

Mas o segundo aspecto também é importante: quanto mais conhecimento em diferentes áreas você tiver, mais serviços poderá oferecer, agregando valor ao seu trabalho e permitindo que você cobre um valor mais alto por ele.

O ideal é que sejam conhecimentos complementares, que possam ser oferecidos ao mesmo cliente que já contrata os seus serviços, assim, ao invés de contratar dois ou três profissionais para atender sua demanda, ele contratará apenas você, por um valor mais alto do que inicialmente.

5.    Automotivação

Trabalhar sozinho exige automotivação diária. Sem isso o desânimo e a preguiça podem tomar conta dos seus dias facilmente.

É claro que, com organização, é possível dormir até mais tarde um dia em que você estiver mais cansado, ou então remanejar alguma atividade de trabalho para atender a um imprevisto.

Mas essa prática não pode ser constante, pois deixar para fazer o trabalho muito próximo do prazo final pode prejudicar a qualidade da entrega.

Algumas dicas comuns de freelancers que já atuam há mais tempo é ter um espaço próprio para trabalhar em casa, ter uma agenda com horários e planejamento das atividades do dia e da semana, e se vestir como se estivesse pronto para sair de casa a qualquer momento, ou seja, tirar o pijama.

Essas dicas ajudam a construir um ambiente de trabalho, o que contribui para o cérebro  entender que é hora de se concentrar.

6.    Resiliência

Você receberá muitos “nãos” na sua trajetória como freelancer, principalmente no início, e isso é normal. A resiliência é necessária para não desistir nesses momentos e seguir em frente, compreendendo que essa é uma fase, uma etapa necessária para o seu crescimento profissional.

Somente assim, corrigindo os erros e melhorando sua abordagem é que você poderá alcançar a excelência, e se tornar um profissional requisitado no seu mercado.

Qual é a diferença entre ser MEI, Autônomo ou Freelancer?

Ser autônomo significa que o profissional trabalha por conta própria, ou seja, não tem chefe. Então, o freelancer é um trabalhador autônomo. Mas ele pode escolher dois caminhos, o da formalidade e o da informalidade.

A nomenclatura “autônomo” está mais relacionada à informalidade.  

Se a pessoa é freelancer apenas para fazer uma renda extra e trabalha esporadicamente, pode não ser necessário formalizar o seu negócio.

Entretanto, se o objetivo é trabalhar como freelancer em tempo integral, possuir um CNPJ ativo é essencial para conseguir negociar com empresas e emitir notas fiscais.

Esses tipos de contratos geralmente são os mais lucrativos e permitem que você cobre valores mais altos, em acordo com a demanda e as responsabilidades envolvidas.

E a solução simplificada para ter seu trabalho formalizado é através do MEI, se tornando um Microempreendedor Individual, que é um formato empresarial, regulamentado e desburocratizado.

Nem todas as atividades de trabalho podem ser enquadradas como MEI, mas a lista de permissões é grande, então vale a pena pesquisar. Se não for o caso, uma alternativa é abrir uma empresa como Empresário Individual, e nesse caso já existe um pouco de burocracia envolvida.

Qual a diferença entre um Freelancer e um Trabalhador CLT?

Como já foi explicado, o freelancer não possui vínculo de emprego com qualquer empresa, ele é dono do seu próprio negócio, seja ele formalizado ou não.

Sendo assim, o freelancer não possui direitos trabalhistas como férias, FGTS, 13º salário, abonos, e outras vantagens desse tipo.

Porém, também não precisa se deslocar até o local de trabalho, não precisa cumprir horários rígidos e não tem ninguém impondo o que deve ou não fazer.   

Com a formalização do negócio é possível contribuir com a Previdência Social e manter os direitos beneficiários, como auxílio-doença, salário-maternidade, e aposentadoria, e é muito importante pensar e planejar esse futuro.

Quanto um Freelancer Ganha?

Depende. Um dos principais inimigos do freelancer é não ter estabilidade financeira. Mas uma das grandes vantagens é que o limite de renda é aquilo que os clientes entendem que vale o seu trabalho.

Se as suas entregas forem realmente de qualidade e relevantes para os clientes, eles pagarão um valor justo por isso. E a sua renda mensal está diretamente relacionada a quanto você produz.

Obviamente o início é difícil, na maioria das vezes você não tem todas as habilidades necessárias e se sente inseguro para cobrar a mais. Além disso, os clientes não conhecem o seu trabalho e não aceitarão pagar mais caro para testar.

Mas com o tempo e persistência, você consegue formar uma carteira de clientes satisfeitos com as suas entregas e que aceitam pagar um pouco a mais para receber um trabalho de qualidade e sem dor de cabeça.

Aliás, esse é o caminho a ser buscado, ter trabalhos recorrentes e formar uma renda mais próxima da estabilidade. Mas aqui vai uma dica importante: busque sempre ter vários contratos, para que sua renda tenha várias fontes diferentes.

Dessa forma você não será tão impactado se um cliente decidir não renovar o contrato em determinado mês. Tendo entradas variadas, facilmente você repõe o cliente e recompõe sua renda.

Uma preocupação que deve estar sempre na sua mente é em construir uma reserva financeira. Essa é a sua garantia para os momentos de baixa demanda de trabalhos e também para poder tirar férias de vez em quando.

Reserve de 20 a 25% da sua renda e invista em algo que permita o uso a qualquer momento.  

Como conseguir os primeiros trabalhos como Freelancer?

Depois de tudo isso você deve estar se perguntando como começar. Não existe uma fórmula mágica ou um passo a passo específico. Cada profissional encontra uma forma de iniciar sua trajetória, mas existem algumas etapas importantes e algumas dicas que podem facilitar esse começo.

Crie seu portfólio

O primeiro passo deve ser criar o seu próprio portfólio online para que você envie aos seus potenciais clientes.

Mas atenção: os trabalhos desse portfólio precisam ser seus, e não algo que você fez parte com outras pessoas.

Uma dica para o caso de você ainda não ter clientes é criar trabalhos fictícios para grandes empresas. Se você é redator, pode escolher um blog específico e escrever um artigo completo, com todos os recursos necessários para publicação.

Dependendo do caso você pode até mesmo oferecer o trabalho para a empresa que serviu como modelo e, quem sabe, ela pode se tornar seu primeiro cliente.

Atualize seu perfil no Linkedin

Muitas empresas buscam profissionais nessa rede profissional ou mesmo consultam referências nela. Por isso é muito importante manter seu perfil atualizado e completo.

Uma dica interessante é usar o seu perfil do Linkedin para publicar conteúdos sobre a sua área de atuação, dessa forma você demonstra conhecimento.

O Linkedin também é um importante canal de networking, e você pode aproveitar suas conexões para oferecer seu trabalho como freelancer.

Cadastre-se em sites freelancer

Hoje em dia já existem muitos sites especializados em conectar clientes que possuem demandas específicas de trabalho com profissionais freelancers.

Aqui no blog tem um artigo específico sobre esse assunto e você pode conhecer os principais sites freelancer para se cadastrar.

Então, você deve escolher um ou mais sites e fazer o seu cadastro. Em alguns casos é possível cadastrar também um portfólio ou fazer um link para o seu Linkedin, por exemplo.

Depois disso você deve monitorar os trabalhos publicados e enviar propostas logo, para ser um dos primeiros a se candidatar. Muitas pessoas querem resolver rapidamente a contratação e ser um dos primeiros aumenta as chances de ser aceito.

Invista no seu marketing pessoal

O marketing pessoal é fundamental para divulgar o seu trabalho, então é importante que você estude, entenda e crie uma estratégia de marketing para o seu trabalho como freelancer.

Ter perfis nas principais redes sociais, como Facebook e Instagram, pode ser uma boa ideia, mas sempre com uma imagem clara e comunicação objetiva, voltada para o seu público-alvo.

Vale a pena ser freelancer?

Se você deseja ter mais controle sobre a sua rotina e liberdade para trabalhar onde desejar, vale muito a pena se tornar um freelancer.

Mas para ter sucesso nessa carreira é importante desenvolver as habilidades já citadas de organização, resiliência, disciplina, e estar disposto a aprender mais a cada dia, sobre diversas áreas e assuntos diferentes.

Como freelancer você é o gestor do seu próprio negócio e o sucesso e a lucratividade dele dependem exclusivamente do seu empenho. Quanto mais você se dedicar a entender o mercado e as demandas do seu nicho, mais retorno financeiro você terá.

Agora que você já sabe o que é ser freelancer e como começar, continue acompanhando as publicações do blog para saber mais sobre a vida de freelancer.  

Deixe o seu comentário

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Cadastre-se no Nômade Virtual para receber e-books e novidades gratuitamente

Anúncios